PSD ODIVELAS MOSTRA PREOCUPAÇÃO COM HOSPITAL BEATRIZ ANGÊLO
24 Janeiro, 2020
1º COLOQUIO DE TREINADORES
30 Janeiro, 2020

REDUZIDOS A 640 GRAMAS DE CINZAS

Médico soviético examina sobrevivente do campo de Auschwitz semanas após a libertação pelos Aliados. Auschwitz. Polônia, 18 de Fevereiro de 1945.

Faz hoje 75 anos que o campo de concentração nazi de Auschwitz-Birkenau foi libertado. O complexo constitui o local do maior assassinato em massa da história da humanidade, cerca de 1,1 milhão de pessoas foram aí mortas, das quais mais de 90% eram judeus o que representa mais vitimas do que as sofrida pelo Reino Unido e pelos EUA em toda a guerra.

As cinzas de cada vítima adulta pesavam cerca de 640 gramas, de acordo com as anotações de escritas no caderno de Marcel Nadjari , em Novembro de 1944, “Não estou triste por morrer, mas triste por não ser capaz de me vingar como gostaria”, escreveu.

O grego escondeu um manuscrito de 13 páginas num frasco térmico, que selou com um plástico e colocou numa bolsa de couro que enterrou.

Os relatos de Nadjari e outras vitimas dos campos de concentração do complexo de Auschwitz-Birkenau, foram recuperados anos depois e minuciosamente decifrados, ficaram conhecidos como os «Pergaminhos de Auschwitz».

Já muito próximo da derrota final, a SS começou a evacuar o campo a partir de meados de janeiro de 1945. Perto de 60 mil presos, famintos e seminus, foram forçados a caminhar pela neve em temperaturas negativas de -20° C para cidades a mais de 50 km de distância.

Aqueles que não conseguiram acompanhar o percurso foram mortos a tiro.

Veja aqui o relato de Andor Stern, brasileiro de ascendência húngara, sobrevivente do Holocausto:

Em menos de quatro anos, a Alemanha nazi matou 1,1 milhão de pessoas só em Auschwitz. Quase 1 milhão eram judeus.

Os presos no complexo foram mortos nas câmaras de gás, trabalharam até a morte ou foram vitimas de experiências médicas.

Seis milhões de judeus foram assassinados durante o Holocausto, na campanha nazi para erradicar a população judaica da Europa, e Auschwitz foi o principal centro do genocídio.

O que foi o Holocausto?

Quando os nazis chegaram ao poder em 1933, começaram a expropriar propriedades, direitos e liberdades do povo judeu. Depois da invasão alemã da Polônia, em 1939, os nazis começaram a deportar judeus da Alemanha e da Áustria para a Polônia, onde criaram guetos para os separar do resto da população.

Em 1941, quando invadiram a União Soviética, os nazis deram inicio à campanha de extermínio a que chamaram a «solução final». Falavam da invasão como sendo uma guerra racial entre os povos germânico e judeu, como a que ocorreu entre os povos eslavos e Roma.
Grupos de tropas especiais alemães chamadas Einsatzgruppen, foram especialmente destacadas para massacrar civis em territórios conquistados no Leste Europeu. Até o fim de 1941, mataram 500 mil pessoas. Quatro anos depois, o total de assassinados chegou a 2 milhões de pessoas, sendo 1,3 milhões judeus.

Nos locais de combate, os comandantes nazis testavam novas técnicas de destruição em massa. Temendo que os fuzilamentos causassem muito stress aos seus soldados, passaram a desenvolver maneiras mais eficientes de assassinato.

Camionetas experimentais, com um sistema de gás, foram usadas na Polônia, no inicio de 1939, para matar indivíduos com deficiências mentais . Produtos químicos que produziam fumos venenosos eram lançados em compartimentos fechados para matar quem estava no interior. No inverno de 1941, os nazis construíram as primeiras câmaras de gás em Auschwitz.

Em janeiro de 1942, os líderes nazis reuniram-se numa convenção para coordenar a matança em escala industrial. Na Conferência de Wansee, como ficou conhecida a reunião, acertaram qual seria a “solução final para a questão do povo judeu”,  o objetivo era eliminar a população judaica inteira na Europa, cerca de 11 milhões de pessoas, através do extermínio e do trabalho forçado.

O que era Auschwitz?

Originalmente, Auschwitz era uma instalação militar no sul da Polonia. A Alemanha nazi invadiu e ocupou a Polônia em Setembro de 1939 e em maio de 1940, transformou o local numa prisão para presos políticos.

Com o avanço da guerra e da “solução final”, o regime nazi ampliou as instalações. Os primeiros prisioneiros a serem mortos com gás foram soviéticos e polacos em Agosto de 1941.

O extermínio continuou num novo campo, Auschwitz 2-Birkenau, no mês seguinte. Esse foi o local com enormes câmaras de gás onde centenas de milhares de pessoas foram mortas até Novembro de 1944. Os cadáveres das vítimas eram depois queimados num crematório.

A empresa química alemã IG Farben, construiu e operou uma fábrica de borracha sintética em Auschwitz 3-Monowitz. Outras empresas privadas como Krupp e Siemens-Schuckert também tinham instaladas fábricas em regiões próximas, com o fim de usar prisioneiros como trabalhadores escravos.

Entre os sobreviventes mais famosos contam-se Primo Levi, químico e escritor italiano, e o prêmio Nobel da Paz Elie Wiesel presos no campo de concentração de Monowitz.

Quando Auschwitz foi libertado, existiam mais de 40 campos e subcampos de extermínio. No fim da guerra tinham sido mortos mais de 6 milhões de judeus.

Os comentários estão fechados.