PEDRO BARROSO PARTIU MAIS UM DOS GRANDES DA MUSICA VIVA QUEM CANTA

COVID-19 EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS ENCERRADOS E MEDIDAS DE CONTINGÊNCIA
17 Março, 2020
LOJA DO CIDADÃO ATENDIMENTO NOS BALCÕES CMO, CLAIM EFETUADOS SÓ POR MARCAÇÃO
17 Março, 2020

PEDRO BARROSO PARTIU MAIS UM DOS GRANDES DA MUSICA VIVA QUEM CANTA

Pedro Barroso 1950-2020

Morreu António Pedro da silva Chora Barroso . Tinha 69 anos, faleceu ontem à noite, vitima de doença prolongada. Cantor, autor, músico com mais de 20 álbuns lançados, o último em 2017 – “Artes do Futuro”. Hoje depois das 22h a Antena1 transmite o último concerto de Pedro Barroso, realizado em Dezembro de 2019 no Teatro Virgínia, em Torres Novas, sua terra adotiva. O filho, Nuno Barroso, convidado habitual do programa semanal Pop Rock, de Cristina Caero na Radio Cruzeiro, tinha alertado recentemente nas redes sociais para a doença do pai.

Pedro Barroso foi em Dezembro de 1969, um dos cantautores revelados pelo famoso programa da RTP Zip-Zip.  Em 1970 editou o seu primeiro disco, um EP denominado Trova-dor. Vai para o Teatro Experimental de Cascais nesse ano. Sob a direção do encenador Carlos Avilez, participa como actor nas peças Fuenteovejuna, de Lope de Vega, e Breve Sumário da História de Deus, de Gil Vicente, juntamente com José Jorge Letria e António Macedo.

Cantor, autor e músico tem mais de 20 álbuns lançados, o último, ‘Artes do Futuro’, foi editado em 2017.

Nasceu em Lisboa, mas, cresceu em Riachos, terra natal do pai, professor do Ensino Primário.

Completou o curso de Educação Física em 1973 na Instituto Nacional de Educação Física, actual Faculdade de Motricidade Humana, e foi professor dessa disciplina no Ensino Secundário durante mais de 20 anos.

Viria mais tarde a obter um diploma de pós-graduado em Psicoterapia Comportamental, em 1988, tendo trabalhado na área da Saúde Mental e Musicoterapia durante alguns anos. Foi, neste campo, pioneiro no ensino de crianças surdas-mudas, numa escola de ensino especial de Lisboa.

Membro ativo da comunidade artística e musical integrou a direção do Sindicato dos Músicos e foi autor, em 2002, do Manifesto sobre o estado da Música Portuguesa que teve audições junto de todos os Grupos Parlamentares na Assembleia da República e do então Presidente da República, Jorge Sampaio.

Desde 2003, é membro dos corpos gerentes da Sociedade Portuguesa de Autores, na direção presidida por Manuel Freire. Foi convidado a dar palestras sobre a Cultura Portuguesa nas Universidades de Nijemegen, Estocolmo, Toronto e Budapeste.

No plano da literatura, Pedro Barroso foi autor dos livros, Cantos Falados,  Das Mulheres e do Mundo, as ficções A História Maravilhosa do País Bimbo, e Contos Anarquistas  e Memória Inútil de Mim e Outros Gritos na Paisagem.

Pedro Barroso é pai do também cantor Nuno Barroso.

A sua obra será eterna e ficará para sempre viva na nossa memória. A Radio Cruzeiro apresenta os nossos sinceros pêsames ao filho Nuno, a toda a família e a todos os amigos e admiradores de Pedro Barroso. “VIVA QUEM CANTA!

Os comentários estão fechados.