PCP DEFENDE PRIORIDADE À EXPANSÃO DO METRO A LOURES

CARNAVAL DE LOURES 2020
7 Fevereiro, 2020
WORKSHOP “NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO” NO MULTIUSOS
7 Fevereiro, 2020

PCP DEFENDE PRIORIDADE À EXPANSÃO DO METRO A LOURES

A Comissão Concelhia de Loures do PCP, declarou em comunicado enviado á nossa redação que se congratula com a  recente aprovação na Assembleia da República, no âmbito da discussão e votação na especialidade do Orçamento de Estado para 2020, da proposta de suspensão do projeto de construção da linha circular do Metro e a consequente prioridade à expansão da rede de Metropolitano até Loures, bem como para Alcântara e zona ocidental de Lisboa.

Proposta de alargamento do Metro que afetava a linha amarela

Segundo o Partido Comunista Português a aprovação desta proposta cria condições para o abandono da opção da construção da linha circular, defendida pelo Governo do Partido Socialista, opção que considera contrária aos interesses da população da Área Metropolitana de Lisboa e do Concelho de Loures, que via adiada sine die a opção do alargamento a Loures.

Para o partido a expansão da rede do Metropolitano no Concelho de Loures é uma questão essencial desde sempre defendida pelo PCP e pelos seus eleitos e uma justa e antiga reivindicação da população do Concelho.

Um investimento que representará uma significativa melhoria na qualidade de vida da população, particularmente nas suas condições de mobilidade. Trará igualmente significativos ganhos para o ambiente, dado o expectável aumento da utilização do transporte coletivo em detrimento da utilização do transporte individual.

A Comissão Concelhia de Loures do PCP, exige ainda que se retome de imediato os projetos técnicos para a concretização da expansão do metropolitano no Concelho de Loures.

O PCP sempre considerou errada esta opção, pelo desperdício de recursos (210 Milhões) que tanta falta fazem para a contratação de mais trabalhadores, para a aquisição de novos equipamentos e para um sério planeamento da expansão da rede, tendo como prioridade os verdadeiros interesses dos utentes, e não outros.

A Concelhia de Odivelas, também declara que a opção pela linha circular, agora suspensa, significaria a afetação dos poucos recursos disponíveis a uma obra que não acrescenta nada de significativo à Rede de Metropolitano, exigindo investimentos muito acima da média.

Acrescenta ainda os fatores técnicos que acentuam a complexidade especial dessa obra,  as acentuadas pendentes entre a Estrela e Santos; a complexidade da intervenção na 24 de Julho (entre Santos e o Cais do Sodré) as precárias condições de fundação da obra subterrânea pela proximidade do Rio Tejo e a necessidade de realizar uma grande obra de infraestrutura na Estação do Campo Grande, para acomodar as alterações que implicariam passar a integrar a linha circular e simultaneamente receber uma estação de ligação direta entre Telheiras e Odivelas.

Os comentários estão fechados.