OPINIÃO/CRUZEIRO: UM ANO DE PAN EM ODIVELAS

A SOCIEDADE MUSICAL ODIVELENSE VAI REALIZAR O 10º ENCONTRO DE COROS
19 Outubro, 2018
RÁDIO CRUZEIRO: MAIS LOGO ABRA A PORTA A UM GRANDE FIM DE SEMANA
19 Outubro, 2018

OPINIÃO/CRUZEIRO: UM ANO DE PAN EM ODIVELAS

“Um ano de PAN em Odivelas”

Dia 28 de Outubro de 2017 tomou posse pela primeira vez na Assembleia Municipal de Odivelas o PAN – Pessoas, Animais, Natureza. Esta inédita entrada veio alterar o espectro político em Odivelas, tal como aconteceu um pouco por todo o país. “Lá vem a malta dos animaizinhos.”, ouviu-se na sessão de tomada de posse. A “malta dos animaizinhos”, frase que com que até então e um pouco ainda hoje, se gosta de dizer quando se fala do PAN- Pessoas,Animais,Natureza.

A perspectiva das pessoas era de que o PAN vinha para Odivelas, com propostas unicamente relacionadas com o bem estar e proteção dos animais. Ideia que as primeiras propostas não vieram alterar, seja a Campanha de Esterilização, seja a do reforço orçamental do Gabinete Veterinário Municipal. No entanto esta não seria a estratégia política adotada para Odivelas.

Seguiram-se várias propostas e moções aprovadas pela Assembleia Municipal, a da renovação da frota municipal para veículos elétricos, a da repavimentação da rotunda da Galp junto ao Strada e à IC17 com a instalação (ainda por fazer) de semaforização inteligente, a de inclusão de conselhos de poupança de água na fatura dos SIMAR, ou mesmo a da exigência de um referendo relativo ao futuro do Mosteiro S.Dinis e S.Bernardo. O PAN -Pessoas,Animais,Natureza, apresentou um total de 12 propostas até Julho de 2018, sendo que apenas 4 estiveram diretamente relacionadas com o bem estar e proteção dos animais.

Vendo bem as coisas, afinal a “malta dos animaizinhos” até tem posições sérias sobre outros temas, e defende o bem estar e o interesse dos munícipes de Odivelas. Quer isto dizer que o PAN em Odivelas não se preocupa tanto com os animais como noutros municípios? Claro que nos preocupamos e muito. Temos feito um trabalho de grande proximidade com o executivo de modo a melhorar as condições dos animais no nosso concelho, de controlar a natalidade dos animais errantes de uma forma mais humana, de providenciar um tratamento veterinário de qualidade e dentro de um espaço de tempo verdadeiramente adequado. Preocupamo-nos e muito. Mas também nos preocupam outros temas cruciais para Odivelas, como por exemplo a má gestão do lixo, a falta de condições de mobilidade para pessoas de cadeira de rodas ou de mobilidade reduzida dentro do nosso município, como a falta de espaços verdes adequados, entre outros temas de relevante importância.

Em qualquer freguesia ou município, o PAN reconhece que o nosso ecossistema engloba pessoas, animais e natureza, não é por acaso que o PAN é o único partido com expressão parlamentar, com a palavra “Pessoas” no seu nome. Por isso reconhecemos que os munícipes na sua globalidade (pessoas e animais) necessitam de ter um município forte. Precisamos de uma política justa, consciente e auto-sustentável para a qual todos nós necessitamos de colaborar.

Tendo vivido grande parte da minha vida em Odivelas (fora 8 anos passados em Londres), tenho uma vontade tremenda de ver o concelho como um município moderno, pioneiro e sendo um exemplo a seguir. A realidade com que me deparei, no entanto, é bastante diferente. Desde a minha entrada como deputado municipal do PAN na Assembleia Municipal de Odivelas, confirmei uma suspeita que sempre tive. Vontade de sermos um concelho moderno até existe, mas não passa disso mesmo, vontade. Passar da vontade à ação é um caminho difícil e que envolve um combate contínuo às políticas tradicionais onde se vê poucos avanços e muitos recuos.

Esta é uma realidade que um partido como o PAN está habituado a lidar. É uma mudança de paradigma e consciência que terá de ocorrer a nível político, para finalmente começar a mudar a forma como se gere o concelho e se possa ser mais ambicioso. E porque razão quer o PAN que o concelho seja mais ambicioso e pioneiro? Porque com um concelho mais ambicioso e pioneiro é mais fácil mudar o paradigma político para implementar, por exemplo, uma rede de ciclovias espalhadas pelo concelhos que se liga à rede de ciclovias em Lisboa, utilizar pavimento especial para estradas e ciclovias que permitam capturar energia solar e gerar energia elétrica, construir mais zonas verdes e de lazer com pontos wifi e de geração de energia, criar uma unidade de cuidados continuados para os idosos de Odivelas terem uma vida digna e adequada às suas necessidades, criar uma unidade ambulatória 24 horas para animais acidentados, implementar um Rendimento Básico Incondicional (RBI) no qual todos os cidadãos e cidadãs de idade superior a 18 anos, recebem por mês 380€ para gastarem como quiserem, etc… Só desta forma se poderá trazer Odivelas para o século XXI e realmente poder fazer uma diferença positiva na vida dos nossos munícipes.

Esta é a visão da “malta dos animaizinhos” para Odivelas e é para essa visão que continuaremos a trabalhar nos restantes anos de mandato.

Nelson Silva

Os comentários estão fechados.