OPINIÃO/ CRUZEIRO: REAGIR VS REFORMAR

18ª FEIRA DO ARTESANATO EM ODIVELAS ESTÁ PESTES A A ENCERRAR INSCRIÇÕES
6 Novembro, 2018
EFEMÉRIDES: 7 DE NOVEMBRO – HÁ 43 ANOS, UMA BOMBA DESTRUIU O EMISSOR DA RENASCENÇA
7 Novembro, 2018

OPINIÃO/ CRUZEIRO: REAGIR VS REFORMAR

Reagir vs Reformar

A reação apenas gera oposição e a reforma, sempre pede nova reforma. Enquanto pensamos nestas palavras, que tanto sentido fazem, as reformas tardam. É sempre mais fácil reagir, do que reformar.

A oposição, é necessária. Mas pede-se e urge, uma oposição reformadora. Uma oposição que traga reformas e que não as trave, por meros ideais e ideias. Uma reação necessária, um impulso, para a reforma.

Reformar, implica compromisso. Dedicação e muito pouca politica populista e de ganho fácil.A oposição, por si só, enquanto palavra, impõe logo, um sentido reactivo, de força, de contrário. De querer algo diferente, do que está instituído, ou o que a reação em oposição, querer fazer.

Reagir é sempre mais fácil e o caminho mais curto. Menos trabalhoso e de efeito imediato, com resultados garantidos, num qualquer menor espaço de tempo. Muito útil, para quem pouca visão utiliza, para um bem maior e comum.

Reformar, exige tempo. Visão. Pensar, mais e muito mais. Ir além do que óbvios resultados imediatos. Reformar, visão, tempo. Tudo, isto está interligado. Co-existem, com o risco de algo ficar para trás.

Um novo tipo de carácter é preciso. Um novo tipo de carácter é necessário, para se conseguir reformar e trazer mais reformas. E com as reformas, melhorias para o bem de todos e de todas.

Carácter…coragem…persistência…resiliência… Ceder ao imediato, cria reação, que vai gerar mais oposição. Entramos assim num ciclo vicioso.

E a assembleia municipal de Odivelas reagiu. Criou ainda mais oposição, ao calar e cortar a palavra a todos os restantes grupos municipais. Um novo regimento, opositor à liberdade democrática e individual. Castrador e limitador.

Silenciar a oposição, foi a reação encabeçada pelo PS e sem qualquer necessidade, já que são a maioria.

Aqui, reformar seria  preciso. Criar consensos, Ir mais longe, do que foi mais simples, para tornar inócuo um órgão municipal. Ficou, em Odivelas, o alerta,para o que se espera de uma maioria socialista.

PS – Esta é a minha estreia, na Rádio Cruzeiro…Represento o Bloco de Esquerda, como independente, na Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ramada e Caneças e na Assembleia Municipal de Odivelas. Odivelas, vai ser o tema central, mas, outros assuntos poderão surgir. Espero, estar à altura, de quem já tomou conta deste espaço e acima de tudo, dos leitores…

Rui Santos

Os comentários estão fechados.