OPINIÃO/CRUZEIRO: MUNICÍPIO SEM RESPOSTAS

REMEXIDO APRESENTA PRIMEIRO ALBUM NA MALAPOSTA
29 Janeiro, 2019
EFEMÉRIDES – 30 DE JANEIRO – DIA MUNDIAL DOS LEPROSOS
30 Janeiro, 2019

OPINIÃO/CRUZEIRO: MUNICÍPIO SEM RESPOSTAS

Município sem respostas

Habituados que estamos, na Assembleia Municipal,não obtermos respostas aos requerimentos que são colocados e muitas vezes a perguntas, que são feitas diretamente ao executivo, às quais,acontece o mesmo.

Ou a resposta é tão redonda, que podemos gastar as opções regimentais todas, que acabamos por obter o mesmo resultado.

Por vezes, obter a resposta, não será o prémio final.

Mas não obter respostas, concretas, em relação a dois temas fraturantes para Odivelas, preocupa-me.

Mosteiro de São Dinis e São Bernardo e Metro.

Ultimamente, reconheço-o, ando sempre à volta de um, ou outro tema. Mas,havemos de concordar que são temas de elevada  importância para o nosso concelho.

Em relação ao Metro, percebemos agora, que pouco tempo há, para parar com a nulidade que vai ser para Odivelas, estas alterações na Linha Amarela. Transbordo, linhas circulares…

Vai ser um desperdício de recursos, dinheiro deitado fora e anos de transtorno rodoviário e de circulação de passageiros.

Percebe-se perfeitamente que a ligação ao centro de Lisboa, será mais demorada, tornando-se a Linha Amarela, um apêndice das restantes. Obrigando muitas e muitos dos utilizadores a mudar de linha, no Campo Grande, caso queiram continuar até ao centro de Lisboa…Serão milhões de passageiros…milhões…

Em relação a este assunto, chegou ao executivo de Odivelas uma missiva do Ministério que tutela este tema, a tentar, apaziguar os ânimos,em que afirma que o anel formado pela linha verde, não será inibidor da entrada direta da linha amarela nesse circuito, caso justifique..Resta perguntar, quem dirá, se vai justificar, ou não?!

Entre acordos, que são firmados noutros concelhos, podemos nos pronunciar. Podemos opinar e tentar tirar alguma utilidade daí.

O mais importante, neste campo,seria colocar o metro a circular, no formato que está.

Depois, para Odivelas, a expansão da Linha, para a Ramada, Loures…expansão, que iria permitir que Odivelas, não fosse um enorme parque de estacionamento sazonal.

Curioso, é ver a posição que alguns executivos de freguesia, tomaram,com este assunto. Diferente da posição do executivo municipal, mas esperemos que eficaz.

Agora o Mosteiro…

Foi assinado o acordo de cedência, já houve o foguetório todo, com o assunto, mas não se avança, com nada, ou quase nada.

Vemos obras, na parte da igreja, os trabalhos de beneficiação no túmulo, que ainda continuam.

Houve um aumento da vigilância, depois do roubo dos azulejos.

O que não vemos, é o inicio da discussão pública, para definir o que a população de Odivelas quererá para aquele espaço.

Dizem, que é por ainda não haver condições (quais??),por ainda,na realidade, não terem as “chaves”…

Não se vê o inicio da colocação do tal penso rápido, por ainda não terem plantas, ou será, porque ainda não podem entrar?!

O não haver discussão publica, sem se ver o inicio das obras de reparação, mais e mais o monumento vai-se degradar.

Trata-se de um enorme investimento para câmara, durante um longo período de tempo.

Medo temos, que sejam “privados” a usufruir de tal forma do edificado, que a população no geral, seja esquecida e posta de lado, naquele que é e deverá de ser, o espaço de referência em Odivelas.

Assusta-me, o que realmente vai acontecer…

Sem dúvida, que será um elefante branco parado no meio de uma sala, durante muito tempo. E esta inércia, ou passividade, do executivo municipal, não ajuda…

(Assusta-me, sequer imaginar, que ainda vamos ter uma grande surpresa.)

Assim, vai ser difícil recupera-lo para Odivelas e para os e as que aqui vivem e trabalham.

Rui Santos

 

 

 

 

Os comentários estão fechados.