MOSTEIRO: OPOSIÇÃO QUEIXA-SE DE DISCUSSÃO PÚBLICA INQUINADA

FUTURO DA LINHA AMARELA DO METRO ESTEVE EM DISCUSSÃO NA ASSEMBLEIA MUNICIPAL
1 Março, 2019
ASSEMBLEIA MUNICIPAL APROVOU RESTRIÇÃO DE GLIFOSATO EM ODIVELAS
2 Março, 2019

MOSTEIRO: OPOSIÇÃO QUEIXA-SE DE DISCUSSÃO PÚBLICA INQUINADA

Sábado, dia 9, arranca a discussão pública e a apresentação de ideias para o uso a dar, no futuro ao Mosteiro de Odivelas com um Dia Aberto naquele Monumento Nacional. Um decreto lei entretanto publicado veio lançar suspeitas sobre a discussão pública estar ou não inquinada.

Joana António, deputada municipal eleita pelo PS enalteceu a possibilidade de dar a voz aos cidadãos sobre o futuro do Mosteiro, que começa agora a sua nova vida.

Paulo Sousa, deputado municipal eleito pelo Bloco de Esquerda foi o primeiro a reagir e solicitou alguns esclarecimentos sobre o que estará em discussão no dia 9, uma vez que segundo a imprensa, o Mosteiro de Odivelas vai ter 80 camas para estudantes universitários.

Também Carlos Roda, deputado municipal eleito pelo PSD questionou se o executivo municipal teria conhecimento do decreto lei 30/2019, pelo qual alguma imprensa atribui camas para estudantes universitários no Mosteiro.

Na resposta o presidente da Câmara Municipal de Odivelas, Hugo Martins respondeu que o referido decreto lei, apenas abre a porta a que os municípios que queiram lançar concursos públicos ao abrigo da criação de novos alojamentos para estudantes o podem fazer, consultando apenas três empresas.

Mesmo assim, Paulo Sousa voltou à carga e questionou se o Governo se terá lembrado desta iniciativa sem consultar os municípios envolvidos.

Os comentários estão fechados.