FALECEU LUÍS FILIPE COSTA RADIALISTA JORNALISTA E REALIZADOR

AUTOCONHECIMENTO
20 Julho, 2020
ATÉ SEMPRE COMPANHEIRO ORLANDO
22 Julho, 2020

FALECEU LUÍS FILIPE COSTA RADIALISTA JORNALISTA E REALIZADOR

Luís Filipe Costa 1936 - 2020

Lisboa, 21 Jul 2020 (Lusa) – A Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) lamentou hoje a morte do realizador e autor Luís Filipe Costa, que foi distinguido com o prémio de Consagração de Carreira da SPA e o Prémio Igrejas Caeiro em 2013.

“A SPA manifesta o seu pesar pela morte do realizador de rádio e televisão e também escritor Luís Filipe Costa, de 84 anos, que foi secretário da Direção da cooperativa, logo após as eleições de setembro de 2003. Era cooperador desde março de 1978 e associado da cooperativa desde dezembro de 1958”, pode ler-se no comunicado da SPA.

Assim, a “SPA endereça à família de Luís Filipe Costa e em particular à sua viúva Isabel Medina, escritora, encenadora e também cooperadora da SPA, o seu mais sentido e solidário pesar, nunca esquecendo a importância da sua obra e da sua vida”.

Antes, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, lamentou a morte do radialista, jornalista e realizador Luís Filipe Costa, hoje, aos 84 anos, recordando que a sua voz “será sempre sinónimo de liberdade” e, a carreira, “sinónimo de rigor e de cultura”.

Da mesma forma, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou a morte de Luís Filipe Costa, considerando que será sobretudo lembrado pelo seu “estilo inovador”, no Rádio Clube Português, em plena década de 1960, durante a ditadura.

O jornalista, radialista e realizador Luís Filipe Costa, voz da revolução do 25 de Abril na rádio e autor de mais de 30 telefilmes de ficção, morreu hoje, aos 84 anos, confirmou à agência Lusa fonte próxima da família.

Com carreira profissional iniciada como radialista e ator na Emissora Nacional, entrou depois para o Rádio Clube Português (RCP), onde veio a ler os comunicados do Movimento das Forças Armadas, responsável pela Revolução do 25 de Abril.

Da rádio passaria para a RTP, onde trabalhou como argumentista e realizador, com um currículo de mais de 30 telefilmes e séries, como “A Borboleta na Gaiola”, “Morte D´Homem”, “Arroz Doce” e “Esquadra de Polícia”.

Nascido a 18 de março de 1936, em Lisboa, Luís Filipe Costa foi também ator e encenador, e assinou os romances “A Borboleta na Gaiola” e “Agora e na Hora da sua Morte”.

Foi condecorado a 25 de abril de 2011 com o Grau de Comendador da Ordem da Liberdade.

Os comentários estão fechados.