MEDIAÇÃO DE CONFLITOS
5 Junho, 2017
EFEMÉRIDES: 5 DE JUNHO – HÁ 11 ANOS, MARIA JOÃO PIRES RECEBIA O PRÉMIO D.JUAN DE BORBÓN
5 Junho, 2017

EMPREGO E FINANÇAS

Presentismo Financeiro: O que é? Quais os custos para as empresas? Como combater? (parte1)

 As empresas estão cada vez mais atentas aos seus colaboradores e o endividamento é, sem dúvida, um dos grandes problemas com que os departamentos de Recursos Humanos se deparam atualmente. Nas empresas o maior ativo são os recursos humanos e se estes estiverem financeiramente “doentes” dificilmente a empresa está saudável e produtiva.

 Este artigo pretende falar sobre o impacto que o endividamento e a falta de conhecimentos básicos de gestão do dinheiro por parte da população ativa tem na produtividade e nos custos de uma empresa e a forma como os mesmos podem ser reduzidos e eliminados através da Educação Financeira.

Em primeiro lugar é importante analisar o que é o endividamento e as suas causas internas e externas ao indivíduo / família: má gestão, sem poupança, divórcio, doença, desemprego, manter estilo de vida, falta de Educação Financeira, impulso para consumismo, vícios, herança (manter mesmos hábitos dos Pais).

É também importante referir que ao contrário do que era expectável o endividamento das famílias portuguesas aumentou em 2016.  A retoma da economia previa o contrário, mas os dados divulgados pela DECO em janeiro mostram que houve mais 500 pedidos de apoio do que em 2015. De 2014 para 2015 apenas se tinham verificado mais 50.

Esta situação deve-se não só ao agravamento da situação económico financeira das famílias mas também ao desemprego, às condições laborais e à penhora de rendimentos.

Destas famílias que pedem ajuda, a DECO apenas consegue ajudar cerca de 5% dado que muitas já não têm capacidade financeira para reestruturar as suas dívidas ou renegociar com as entidades credores.

Importante também é perceber que dos 60% das famílias endividadas que fazem parte da população ativa empregada 39% estavam no sector privado, 15% no sector público e 6% trabalhavam por conta própria.

(Continua na semana seguinte)

Para mais informações sobre o programa de combate ao presentismo financeiro contacte a AESS: geral@economia-sustentavel.com

Dulce Forte

Presidente da Direção da AESS

Os comentários estão fechados.