CDU VOTA CONTRA ORÇAMENTO DA CÂMARA DE ODIVELAS

CDS PROPÕE SUBSTITUIÇÃO DA ILUMINAÇÃO DE NATAL POR CABAZES SOCIAIS
19 Novembro, 2020
PS CHUMBA MOÇÃO PARA TRADUÇÃO GESTUAL NA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE ODIVELAS
20 Novembro, 2020

CDU VOTA CONTRA ORÇAMENTO DA CÂMARA DE ODIVELAS

CDU vota contra o Orçamento e Grandes Opções do
Plano para 2021 na Câmara Municipal de Odivelas

 

«Quando analisamos o Orçamento e as Grandes Opções do Plano (GOP) referentes ao
último ano de um mandato autárquico, importa refletir sobre a trajetória que se fez. Estes
documentos que agora analisamos refletem a visão política estratégica do PS para o
nosso Concelho, visão essa que não compartilhamos.

 

Essa visão consubstancia-se em cerca de 20 anos de governação do Concelho ao longo dos quais temos
sistematicamente assinalado o que nos separa, o que nos distancia.
Uma política de desenvolvimento urbano que hipoteca o futuro Odivelas é um concelho com uma pequena área territorial decorrendo daí que é necessário tomar particulares cautelas quanto à ocupação e densificação dos solos, nomeadamente quanto ao crescimento populacional delas decorrente.
A política que tem vindo a ser desenvolvida atira os 26,54 Km2 do concelho para a maior densidade populacional da área metropolitana a médio prazo. Vinte anos após a criação do Concelho, este continua a ser um território desarticulado com centralidades dispersas que não se articulam entre si.

Passados estes vinte anos o que prevalece é uma política de gestão do território avulsa na qual não é possível reconhecer uma estratégia unificadora e consistente de um território que vê dia a dia aumentar o contínuo construído, indiferente às suas capacidades reais de suportar os custos que daí decorrem.
Continuamos a observar o crescimento da construção junto às EN’s. Nos Pedernais, para além de sobrecarregar a EN com mais fogos adjacentes, ainda se constrói uma verdadeira barreira de contenção aos fluxos hídricos.

As palavras como sustentável, amigo do ambiente, usam-se até à exaustão. Parece que servem de remédio santo a políticas que na realidade nem são sustentáveis, nem amigas do ambiente.

PDM – um poderoso instrumento de planeamento desperdiçado
O PDM, talvez o mais poderoso instrumento de planeamento nas mãos dos autarcas, que desde a criação do concelho era urgente e muito premente a sua revisão, e poderia ter dado um contributo para a inversão de um caminho que vinha de longe é facto, mas ao invés, como atempadamente sublinhámos, não só veio aumentar a permissividade a novas e mais densas construções, como se demitiu de atuar sobre as zonas mais críticas onde, pela sua força legal, poderia ter iniciado um caminho de maio harmonização e fruição do espaço urbano.

Neste sentido, o PDM, constituiu-se assim, como uma oportunidade perdida!
Mas importa também olhar para a política que dentro desse PDM tem sido desenvolvida.
Que projetos apreciámos e votámos neste nosso mandato? Em que direção vão?
Vamos apenas enumerar alguns:
1) Plano de Pormenor do Senhor Roubado – Como se articula isto com o novo projeto
de expansão da rede de Metropolitano e com a realidade já construída?
2) Cedência de solos públicos para construção de equipamentos (ginásios, piscinas,
estacionamentos) a serem explorados por grupos privados.
3) Junto ao Silvado surgirão mais áreas comerciais e edifícios de oito pisos ( o
máximo que o PDM permite), e como uma espécie de contrapartida surge a
requalificação de uma zona restrita da ribeira.

Mas relembramos que estas são ações de peso sobre o território e que vão condicionar a evolução futura. Não são pormenores como pode parecer se insistirmos em vê-los desligados das suas implicações mais amplas.
Mosteiro de D. Dinis – um espaço onde faz falta a componente social, e onde é preciso uma resposta para os nossos idosos
Quanto à proposta posteriormente apresentada, julgamos que ela revela outra característica que nos separa das atuais políticas. É que na visão do PS, daquele espaço está ausente a componente social que do nosso ponto de vista deveria ser marcante.
Odivelas é um concelho em que é gritante a falta de equipamentos sociais. A começar pela valência residencial para idosos, pela carência de centros de dia com dignidade para idosos e continuando pelas valências ligadas a jardins-de-infância e creches.
Para a CDU é revelador que o encerramento do único lar público num concelho com mais de 160 000 habitantes é um exemplo demonstrativo da actuação da Segurança Social que encerrou o único lar público no concelho sem ter criado qualquer alternativa, o que revela uma visão profundamente economicista dos problemas.
Para a CDU, se não se encontram parceiros na área social há que reivindicar que o Estado Central, nomeadamente a Segurança Social assuma as suas responsabilidades.
O que sabemos, o que é objetivo, é que Odivelas está sem um único lar público há anos.
Ainda é tempo de estudar com rigor a possibilidade de no edificado do Mosteiro fazer um centro de dia para idosos digno desse nome.

Passados estes anos continua por definir o que fazer com o legado dos chamados Bairros do Governo Civil.
Passados estes anos e no que respeita à Feira Popular pouco ou nada se sabe! E, para além do grande silo automóvel a implantar em terrenos de Odivelas, o que há de novo?
Uma outra vertente com que não concordamos, é a da conceção a privados na área da cultura, de que a Malaposta é o principal exemplo.
É facto que, entretanto, se desenvolveram algumas ações sobre o território que concretizam velhas aspirações. Falamos por exemplo da requalificação da Av. D. Dinis e de algumas artérias do Centro Histórico. Falamos da resolução do nó das escolas e USF na Freguesia da Ramada. Mas também é facto que o Parque Verde da Paiã continua subaproveitado e sem um projeto coerente de utilização.
A criação dos SIMAR constituiu uma vitória sobre a tendência política que integrava a entrega ou concessão de sectores diversos aos grupos privados. Os nossos votos de que no futuro esses serviços continuem na esfera pública.
É facto que decorrente da transferência de mais e mais competências para as autarquias, os documentos em apreço apontam para diversos investimentos na área da educação e saúde. A CDU continuará atenta e pugnará, a médio e longo prazo pelo desenvolvimento de políticas sustentáveis.
Na realidade, pensamos que em territórios como este do concelho de Odivelas, sujeito a uma pressão urbana que de todo não se pode ignorar, é preciso coragem para atacar a fonte dos problemas que se vão gerando, ou estaremos condenados a resolver questões a um ritmo igual ou inferior ao da criação de problemas que admitimos que se criem.
A CDU tem vindo sucessivamente a alertar que existem limiares de crescimento que não devem ser ultrapassados porque uma vez excedidos, os custos disso decorrentes são exponenciais.
Odivelas, 16 de Novembro 2020»

Os comentários estão fechados.