BLOCO DE ESQUERDA PERGUNTA. E AGORA, QUE MOSTEIRO VAMOS TER?

EFEMÉRIDES: 15 DE JANEIRO – HÁ 33 ANOS O TEATRO FICOU MAIS POBRE. MORREU CÉSAR OLIVEIRA
15 Janeiro, 2019
A JUVENTUDE SOCIALISTA CONGRATULA-SE PELA CEDÊNCIA DO MOSTEIRO À GESTÃO MUNICIPAL
15 Janeiro, 2019

BLOCO DE ESQUERDA PERGUNTA. E AGORA, QUE MOSTEIRO VAMOS TER?

Em Nota de Imprensa o Bloco de Esquerda já reagiu a cedência da gestão do Mosteiro de Odivelas à gestão municipal perguntando que monumento vamos ter depois do Exército o ter deixado ao total abandono.
Na Nota enviada às redações, o Bloco de Esquerda de Odivelas recorda que “Desde o encerramento do Instituto de Odivelas, o património histórico, arquitetónico  e cultural mais relevante do concelho tem vindo a degradar-se. Através do Exército, o Estado descuidou a protecção, conservação e divulgação daquele espaço. O recente roubo de azulejos com séculos de história foi o exemplo mais visível do desleixo de quem ainda tem por missão salvaguardar tão nobre espaço.”
Na Nota pode ler-se ainda que “Ao longo dos últimos três anos e meio, o Exército retirou do Mosteiro os equipamentos que entendeu serem seus. No entanto, depois de há muito não se registarem grandes movimentações de militares no Monumento Nacional, esta quinta-feira, a apenas quatro dias da passagem do Mosteiro para a esfera municipal, vários militares estiveram a carregar materiais que estavam no interior do recinto. Não é conhecida a natureza das peças levadas e nem o destino que lhes será dado, mas com a cerimónia de cedência já agendada esse género de movimentações tornam-se ainda mais estranhas.
O BE reclama ainda a discussão pública sobre a futura utilização deste espaço num debate que envolva especialistas, populações e todas e todos os que se preocupam com a preservação, valorização e divulgação da memória histórica de Odivelas, num exercício aprofundado da democracia que terá de ocorrer sem preconceitos e perspetivar de forma integrada a articulação dos diferentes espaços culturais do concelho. Os bloquistas mostram-se disponíveis para essa discussão mal ela comece.

Os comentários estão fechados.